Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Já a Seguir

05
Mar18

Ver os Óscares foi um martírio.

Manuel Reis

oscars.jpg

Nunca tive uma experiência de visionamento dos Óscares tão má como a deste ano. Sim, supera sair às 5 da manhã de uma sala de cinema no Amoreiras com gente bêbada a arrastar-se pelas escadas.

 

Antigamente, no tempo da RTP, só havia duas opções: Quem queria ver em directo, via e levava com comentários. Quem não queria, via um resumo na noite seguinte, já legendado. A TVI continuou com isto durante algum tempo e foi aprendendo: Com as pessoas cada vez mais a quererem ver a cerimónia original, sem úteis traduções simultâneas ou - pior - comentários desnecessários, a TVI foi dando mais espaço à cerimónia propriamente dita. Nos últimos anos só eram feitos comentários em alguns intervalos. Algo que, para quem gosta de cinema ou de ver a cerimónia dos Óscares, era absolutamente perfeito.

 

Depois veio a SIC.

 

Mas a SIC anunciou-se com uma "inovação": pela primeira vez, a cerimónia seria transmitida num dos seus canais de cabo, sem comentários desnecessários. A SIC Caras (que começou como exclusivo NOS e entretanto alargou a cobertura a outras operadoras) transmitiu a cerimónia dessa forma até ao ano passado, com a cerimónia a ser transmitida da forma "habitual" no sinal aberto. Tudo bem: mudava de canal e via a cerimónia.

 

Até este ano. Este ano decidiram fazer uma parceria com a NOS. Cartazes em todo o lado a falar no canal Óscares e que a cerimónia ia ser exibida na SIC. Hoje, vou ao site da SIC e vejo que a cerimónia ia também ser transmitida online, mas não na SIC Caras: na TV, só na SIC, e com comentários em Português. "Bem", penso eu, "isto pode dar problemas". Costumo ver os jogos da Liga Europa na SIC e estão sempre com um atraso de 30/40 segundos (por vezes mais) face à emissão televisiva. Ora, para quem quer discutir as coisas em tempo real… é chato.

 

Então pensei: vamos lá arriscar a SIC. Assim que mudei da RTP (onde tinha acabado de ver a final do Festival da Canção) para a SIC, vi logo o que ia dar. Intervalos ao ritmo americano. Os convidados em estúdio não tinham tempo para construir uma ideia. Não se conseguiam ouvir as entrevistas na red carpet por inteiro (e, às vezes, de todo).

 

…a cerimónia dos Óscares não deixa espaço para se comentar o que lá acontece.

 

Fui à procura de outros streams, directos dos EUA, mas nada: tudo o que encontrei estava sobrecarregado. "Bem", pensei eu, "vamos lá tentar ver na SIC". E até começou bem. Calados durante o monólogo do Jimmy Kimmel. Mas, durante o monólogo, ouvi qualquer coisa estranha: risos. Não eram os risos do Dolby Theater. Eram de quem estava em Carnaxide. Eles tinham via aberta. E tanto tinham via aberta que começaram a falar durante a parte final do monólogo do Jimmy, não deixando perceber a piada do jet ski que foi referida ao longo de toda a cerimónia. Saturei: fui ao site da SIC abrir o stream que eles prometiam que não tinha comentários. E não tinha. "Óptimo, vou atrasando a timeline do Twitter… Dá para gerir." Durante a cerimónia ainda me disseram "põe no canal 700", mas era só para clientes NOS e… não sou.

 

Percebi pelos comentários das pessoas que, ao longo da cerimónia, os maus timings eram recorrentes. A conta da SIC Notícias no Twitter até se armou em parva a responder às queixas. A verdade é que a cerimónia dos Óscares não deixa espaço para se comentar o que lá acontece. Para isso é que a ABC e a Academia têm (online) emissões de bastidores paralelas.

 

Além disto, a transmissão era poluída com oráculos e tickers (as barras em baixo) completamente desnecessários e com informações erradas. Algo que o canal oficial dos Óscares não devia deixar que acontecesse. Catano, têm um activo e não sabem tratar bem desse activo? Não há um mínimo de cuidado? Se há, não parece.

 

Voltando à história principal, passei para o stream à espera de que os problemas acabassem. E estava tão enganado. Durante a emissão, o stream (com boa qualidade de imagem, vá lá) era interrompido por publicidade sobreposta. (Nos intervalos, o stream só transmitia auto-promoções da SIC - quando havia publicidade, não era do stream principal, mas de vídeos que lá apareciam. Como um anúncio do YouTube.) Felizmente esses anúncios não interromperam a cerimónia… Até ao discuro de James Ivory pela vitória em Melhor Argumento Adaptado, que só ouvi pela metade.

 

Sempre me foi ensinado: "If it ain't broke, don't fix it." "Se não está partido, não o arranjes." E não só a cerimónia dos Óscares não está "partida" (pelo contrário: Kimmel volta a ser elogiado pelo segundo ano consecutivo), como o grande público tem uma compreensão e utilização cada vez maior da língua inglesa. Em 2018 é desnecessário um acompanhamento permanente da cerimónia, tal como também não é necessário aderir a todos os intervalos para passar publicidade comercial. Nunca pensei dizer isto, mas… SIC, preciso que sejam mais como a TVI, nisto. (APENAS NISTO.)

 

Sim, são muitas queixas. Mas sabem porquê? Porque os Óscares são um bom produto televisivo e têm público verdadeiramente interessado no assunto. E, quando não são um bom produto televisivo (quando foi apresentado pelas duplas Baldwin/Martin ou Franco/Hathaway, por exemplo), continuam a ser uma das principais noites de televisão do planeta. E entristece-me que um canal pague uns valentes milhares de euros para, depois, tratar o produto desta forma. É dar pérolas a porcos.

 

(Podem ler o rescaldo sobre os resultados e a cerimónia propriamente dita aqui.)

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D