Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Já a Seguir

05
Jan18

The Disaster Artist é giro, mas vejam The Room antes

Manuel Reis

d9fabecfa6ab01fb154a8ce6e027d50fbb69b506.jpg

 

Estreia este fim-de-semana The Disaster Artist (PT: Um Desastre de Artista), adaptado do livro homónimo escrito por Greg Sestero e Tom Bissell, naquilo que é, diga-se, um dos melhores filmes que vi em 2017 (apanhei-o no Lisbon & Sintra Film Festival). No entanto, acho que a magia deste filme se pode perder um pouco para quem nunca viu The Room, o melhor pior filme de sempre.

 

Em 2003, Tommy Wiseau estreava The Room, um drama romântico com um clássico herói americano (Johnny, interpretado por Wiseau) que era o melhor amigo de toda a gente, tinha um emprego estável, ajudava jovens desfavorecidos e amava loucamente a sua namorada. Era um exemplo de carácter. Ou, pelo menos, era essa a ideia.

 

O filme é terrível. A sério. É das piores coisas que vão ver na vida, entre má interpretação, câmaras desfocadas, um chroma abismal, molduras com fotos de stock de colheres… E, no entanto, já o vi cinco vezes no cinema. Um visionamento de The Room com amigos (nem sequer precisam de o ver no cinema, basta juntarem malta e colheres de plástico em casa) é das melhores experiências sociais que podem ter. Um drama romântico torna-se numa comédia involuntária. Um filme independente (que custou seis milhões de dólares, tremendamente mal gastos) torna-se num sucesso de sessões da meia-noite. Por cá, já foram feitas oito (seis no Nimas + duas na mais recente antestreia nos UCI), ainda que em horários mais decentes. Há listas daquilo que devem gritar em cada cena. Ver The Room é algo tremendamente épico. No entanto, é um fenómeno de nicho. E se o é nos EUA… Ainda pior, aqui.

 

E é esse o meu receio com o Disaster Artist. Tudo bem: James Franco realizou de forma brilhante (e faz de Wiseau, num dos melhores papéis da sua carreira), o irmão Dave co-protagoniza (faz de Sestero), temos a pandilha habitual (Rogen, Scheer, Ari Graynor, Casey Wilson e muita outra malta que costuma colaborar nestes filmes)… Mas, em Portugal, está a ser tratado como filme de nicho. Nota-se pela distribuição do filme. Com o hype que havia e com o destaque que tem estado a ter, esperava mais salas (e mais importantes, como o Colombo). E podia ser bem pior, mas até acabou por ter uma distribuição nacional.

 

Por isso, e se puderem, vejam The Room antes. Embora Disaster Artist faça um bom trabalho a explicar e a mostrar algumas situações, se virem o "original" antes poderão ter uma perspectiva completamente diferente.

 

Nota: Este é The Room, com "the". É de 2003. Não é o Room, com a Brie Larson. São filmes diferentes. É só porque há quem confunda.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D