Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Já a Seguir

26
Fev18

Black-ish merece a vossa atenção

Manuel Reis

blackish.jpg

 Entristece-me ver que, quando a Fox Comedy anunciou a estreia de black-ish (hoje, às 22:00, com episódios de segunda a sexta), alguns dos comentários que surgiram eram, no mínimo, racistas. Não vou reproduzir nenhum do seu conteúdo (se os quiserem ler, vão à página de Facebook do canal, que não se dignou a apagá-los), mas vou dar a minha opinião.

 

Sim, black-ish é uma série negra. Sim, passa a perspectiva que muitos afro-americanos têm dos EUA, ou não fosse produzida por Larry Wilmore (apresentador de The Nightly Show, substituiu o antigo programa do Colbert e durou pouco tempo). E, infelizmente, é uma série necessária. Existem problemas com os quais nós (brancos) não temos de nos preocupar. Ainda há pouco tempo vi O Príncipe de Bel-Air, e muitas das situações que eram mostradas há 25 anos continuam a acontecer.

 

Como é que black-ish pega nisso? De frente. Em alguns episódios, abre-se espaço para debate - e um deles é particularmente dramático, pegando nas lições de Norman Lear para nos oferecer 22 minutos de não-comédia numa sitcom, para que a discussão continue também em casa, com os espectadores. Para efeitos cómicos, a maior parte dos personagens brancos na série são ignorantes ou pessoas sem jeito. No entanto, até que ponto é que (nós, brancos) não seremos ignorantes? Não teremos sorte de não passar a vida sem alguns destes problemas? (Problemas esses que também acontecem cá, mesmo que não sejam tão mediáticos.)

 

Independentemente das questões raciais, black-ish é uma excelente comédia familiar, com Dre (Anthony Anderson) e Rainbow (Tracy Ellis Ross) a gerir uma família de quatro filhos. Muito bem escrita pela equipa de Kenya Barris e com uma pós-produção irrepreensível. Experimentem-na.

 

E a todos os racistas que acham que isto é apenas uma série “de pretos, por pretos, para pretos”, não se esqueçam que, se forem para lá, serão imigrantes. E o ambiente para os imigrantes nos EUA também não está muito favorável.

14
Fev18

A Netflix contratou Ryan Murphy, criador de American Horror Story

Manuel Reis

ryanmurphy_netflix.jpg

Novo capítulo na guerra Disney/Netflix: A gigante do streaming anunciou de madrugada que contratou Ryan Murphy, possivelmente um dos maiores influenciadores da televisão e da cultura pop da última década (através de séries como American Horror Story, Glee, Nip/Tuck, American Crime Story…) para um contrato de 5 anos, $300M. M Maiúsculo. De Milhões.

 

Isto é gigante. Em seis meses (coincidência-ou-talvez-não: precisamente seis meses), a Disney perde dois dos maiores nomes da TV dos últimos 20 anos para a Netflix. Primeiro Shonda Rhimes (que criou Grey's Anatomy, de que nunca ninguém ouviu falar), por 4 anos, $100M; agora Ryan Murphy - este através da Fox (produtora), com quem está a terminar contrato e que cujo processo de compra por parte da Disney está a decorrer (ainda vai demorar até estar concluído). Isto tudo depois da Disney ter anunciado que vai criar uma plataforma de streaming própria.

 

Vai ser divertido/estranho/assustador ver os próximos desenvolvimentos desta guerra aberta, até porque ainda não é claro que tipo de tratamento é que a Disney vai dar às propriedades da Fox, nem à marca, nem à edginess (o atrevimento) dos conteúdos da produtora. Por exemplo, quando perguntaram ao CEO da Disney, Bob Iger, se iríamos ter mais filmes R-rated de Deadpool, a resposta dele foi positiva, mas com aquilo que eu vejo como sendo um toque de conservadorismo: «As long as we let the audiences know what’s coming, we think we can manage that fine.» E tudo o que for R-rated não vai estar no serviço de streaming - vai para o Hulu (que é como dizer: se não mudar nada, não vai estar disponível em Portugal).

 

Será que vamos assistir a uma sociedade distópica em que a Disney controla o Mundo e a Netflix faz parte da resistência?

 

(Não se preocupem, fãs de Ryan Murphy: as séries que existem vão continuar em exibição até terminar a sua vida natural. Já viram a nova temporada de American Crime Story? O Assassinato de Gianni Versace? O primeiro episódio é bem fixe. Ainda não houve tempo para mais.)

23
Out17

The Orville (Fox/Fox PT)

Manuel Reis

gLdzkbVh5lJDrSzZnndXarJeJd4.jpg

Qualquer qualificação que seja dada a The Orville, nova série de Seth MacFarlane, pode ser injusta. Não é uma grande série, porque ainda é jovem e ainda não se sente que tenha encontrado um rumo. Não é uma má série, porque conseguiu ultrapassar um piloto m*rdoso com uma série de episódios e de histórias muito, muito boas - sobretudo em "About a Girl" e "If The Stars Should Appear". Embora pareça, não é uma paródia a Star Trek, querendo estabelecer um universo próprio. No entanto, é uma homenagem a Star Trek, pelas histórias cativantes e polarizantes.

 

O elenco está francamente bem escolhido (os mais conhecidos serão o próprio MacFarlane, Scott Grimes, Adrienne Palicki, Penny Johnson Gerald), os actores convidados idem (destaque para Charlize Theron, Robert Knepper, Victor Garber e uma participação especial que não vou revelar para que fiquem tão boquiabertos quanto eu) e o sentido de humor do autor de Family Guy está lá - apenas em menor número e num formato com o dobro dos habituais 22 minutos (o que, sinceramente, me apanhou de surpresa e ajuda a que o piloto seja um episódio francamente mauzinho). Os cortes para intervalo estão perfeitos, numa justa homenagem às séries espaciais dos anos 90/início dos anos 2000. E sim, podem achar que a série pode simplificar demasiado alguns temas, mas lembrem-se: É uma série que tem de resumir cada episódio a menos de 45 minutos e a um formato de storytelling que consiga chamar a atenção do público mainstream - mesmo com temas complexos como mudança de sexo na infância ou distopias religiosas.

 

A série estreia em Portugal dia 23 de Outubro, Segunda-Feira, às 23h05, na Fox. Vai começar com seis episódios de atraso face à emissão americana. Reforço o que escrevi antes: O primeiro episódio é uma m*rda, vejam-no apenas para estabelecer as storylines e dêem-lhe outra hipótese. O segundo já tem mais ritmo, e o terceiro é (dentro do que podem fazer) formidável.

Mais sobre mim

subscrever feeds

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D