Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Já a Seguir

04
Mar18

Óscares: Apostas e notas rápidas nos nomeados a Melhor Filme

Manuel Reis

oscars_2018.jpg

Pela primeira vez na minha vida, propus-me a ver todos os nomeados para Melhor Filme, mais alguns que, não estando nomeados para Melhor Filme, também me chamaram a atenção. E consegui! No momento de publicação deste post, e dos 59 filmes nomeados, vi 20 (metade em sala), equivalendo a 77 nomeações (63,1% do total). Infelizmente não dá para ver tudo, quer por tempo, quer por limitações de acesso.

 

Antes, no entanto, uma menção honrosa para I, Tonya, que devia estar na lista de nomeados a Melhor Filme. Existem duas nomeações que são particularmente merecedoras de atenção: A de Montagem (não vai ganhar, mas o filme está maravilhosamente bem editado) e, obviamente, a de Actriz Secundária. A primeira metade do filme é de Allison Janney, e a presença dela sente-se durante o resto. Janney já domina a televisão há quase 20 anos (7 Emmys em 13 nomeações, pelo menos 2 em cada uma das séries - The West Wing e Mom - da qual fez parte a tempo inteiro) e acaba por ser estranho que só agora ela esteja a ter a atenção que já merecia há muito tempo do lado cinematográfico.

 

Call Me By Your Name: O primeiro meh desta lista. A história é bonita, está bem interpretado, mas sinto que o filme se arrastou demasiado tempo. Tem um dos melhores monólogos desta lista de nomeados. Considerando a força que tem tido ao longo desta época de prémios, deve sair com um Óscar (aposto em Argumento Adaptado, sempre uma categoria terrível para se prever quando não se conhece o material de origem - nesta categoria, apenas conheço The Disaster Artist).

 

Darkest Hour: Gary freakin’ Oldman. E é só. Bom filme para se ver em conjunto com Dunkirk (cobrem mais ou menos o mesmo período de tempo), mas toma demasiadas liberdades artísticas. Por vezes, senti que estava a ver um qualquer filme de Roland Emmerich ou Michael Bay, mas sem as explosões irreais ou os desastres inventados.

 

Dunkirk: O. SOM. Se Dunkirk não ganha alguns dos técnicos para os quais está nomeado, será uma tremenda injustiça. Um ritmo frenético numa narrativa não-linear (não costumo ser fã, mas funcionou bem aqui), que me fez estar agarrado à cadeira durante boa parte do filme.

 

Get Out: Porra, que isto é forte. Um excelente exercício de terror psicológico, com mensagens assustadoramente actuais. Jordan Peele faz um excelente trabalho na cadeira de realizador, um início de carreira cinematográfica promissor. Daniel Kaluuya, se tudo lhe correr bem, voltará a estar presente na lista de nomeados nos próximos anos. Será uma pena se não sair do Dolby Theater sem, pelo menos, uma estatueta dourada (em princípio Argumento Original, talvez - um grande talvez - Realização)

 

Lady Bird: Outro meh. Já vi esta história contada vezes sem conta, das mais diferentes formas. Em alguns momentos nota-se a inspiração de Greta Gerwig em Wes Anderson, mas leva-me a crer que gosto mais dela como actriz. Existem alguns momentos bons na montagem do filme. Se quiserem ver por vocês próprios, estreia dia 15 em Portugal.

 

Phantom Thread: “É bonito, mas é melhor veres de dia, bem acordado, porque é lento.” E… que… lento. Tal como Darkest Hour, é um filme feito à medida (pun intended) do protagonista; neste caso, Daniel Day-Lewis, na sua última (veremos) performance de uma já longa carreira. Mas, à excepção do Guarda-Roupa (em destaque óbvio, considerando a profissão do personagem de Day-Lewis), não o vejo a “terminar” com mais um prémio da Academia em casa. A Banda Sonora também é absolutamente magnífica.

 

The Post: Esta nomeação é uma palhaçada meramente política. Porquê? Porque, além desta nomeação, The Post só tem mais uma: Melhor Actriz, Meryl Streep. E, de facto, o que temos é uma exibição clássica de Meryl Streep, em que ela se adapta (e faz isso parecer tão fácil) às necessidades do papel. Mas daí a nomeá-lo para Melhor Filme é um esticão. Qualquer um dos outros nomeados tem, pelo menos, 4 nomeações. Este tipo de nomeações não deve acontecer. O filme é bom, mas não é nada de extraordinário e facilmente trocaria a presença dele nesta lista pelo já referido I, Tonya. No entanto, parabéns a Spielberg e à sua equipa pelo tempo recorde em que o completaram.

 

The Shape of Water: Entrei na sala com expectativas altas e com a ideia de ver o habitual mundo super imaginativo de Guillermo Del Toro e saí com o coração cheio e feliz por ver uma história de amor tão bem contada no grande ecrã. É quase uma tragédia Michael Shannon não estar nomeado para Melhor Actor Secundário, mas não é pior do que algo que acontece bem cedo no filme e do qual não vou falar aqui (spoilers, sorry). 

 

Three Billboards Outside Ebbing, Missouri: Podemos olhar para este filme como tendo sido feito para a Frances McDormand ganhar o Óscar, mas o filme é muito mais do que isso. Com Woody Harrelson e, sobretudo, Sam Rockwell, irrepreensíveis. De todos, parece-me ser o mais consistente e com maior capacidade de agradar a todos os níveis. Embora não seja o meu preferido dos três nomeados, é a minha aposta segura para Melhor Filme, com a noção de que há um ligeiro risco de virar para outro lado. 

 

Filme: Three Billboards Outside Ebbing, Missouri (pode virar para The Shape of Water)

Realização: Guillermo Del Toro, The Shape of Water (pode virar para Get Out)

Fotografia: Blade Runner 2049

Montagem: Dunkirk

Argumento Original: Jordan Peele, Get Out (pode virar para Three Billboards Outside Ebbing, Missouri)

Argumento Adaptado: Call Me By Your Name

Actriz: Frances McDormand, Three Billboards Outside Ebbing, Missouri

Actor: Gary Oldman, Darkest Hour

Actriz Secundária: Allison Janney, I, Tonya

Actor Secundário: Sam Rockwell, Three Billboards Outside Ebbing, Missouri

Banda Sonora Original: The Shape of Water (pode virar para Dunkirk)

Canção Original: “Remember Me”, Coco (pode virar para "This Is Me", The Greatest Showman)

Mistura de Som: Dunkirk

Montagem de Som: Dunkirk

Efeitos Visuais: War For The Planet of The Apes

Direcção de Arte: The Shape of Water

Guarda-Roupa: Phantom Thread

Maquilhagem/Cabelos: Darkest Hour

Curta Animação: Dear Basketball (Apenas não vi Negative Space, e adorei Garden Party. Mas, lá está, Oscar politics.)

 

Nas cinco seguintes não consegui ver nenhum dos nomeados em tempo útil. Apostas baseadas apenas em trailers, conversas e odds de sites da especialidade.

 

Animação: Coco

Documentário: Visages, Visages

Filme Estrangeiro: A Fantastic Woman (long shot: pode virar para The Square)

Curta: DeKalb Elementary

Curta Documentário: Edith+Eddie

 

A cerimónia acontece hoje à 1:00 e é transmitida na SIC (com comentários em português) e, sem comentários, no site da SIC. (Vamos ver é como é que será a latência…) Se quiserem fazer as vossas contas e ver quantos filmes e nomeações viram e quantos vencedores é que acertam, façam download desta folha de cálculo que criei. Vou estar pelo Twitter a comentar em directo, em @ManuelReis. Sigam-me por lá!

Comentar:

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

subscrever feeds

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D