Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Já a Seguir

06
Dez18

New Amsterdam: não inova, mas não chateia

Manuel Reis

NewAmsterdam.jpg

Pensem em ER [Serviço de Urgência]. Agora, pensem em Grey’s Anatomy [Anatomia de Grey]. E em House, M.D. [Dr. House]. Se juntassem essas três séries, tinham New Amsterdam. Tem o protagonista cativante pela sua maneira única de lidar com o que o rodeia (Ryan Eggold, fresco da sua saída da tentativa de franchise de The Blacklist), o elenco com malta relativamente conhecida (destaco Tyler Labine, num registo completamente diferente daquele a que me habituou - de comédias em que berrava passa a um drama em que é relativamente calmo) e demasiado algum excesso de simplicidade. (Achavam mesmo que a referência a Grey’s era outra? O máximo que isto tem é um casal no vai-não-vai, é o mais chato da série.) Este último ponto não abona em nada a favor da série, mas tenho de dizer que, de todas as que estrearam este ano e que me despertaram um mínimo de curiosidade para pegar nelas, esta foi a única que acompanhei todas as semanas.

 

Sim, é mais um drama médico (num hospital público de Nova Iorque que ganha um director médico que verdadeiramente se preocupa com os pacientes - só para completar a sinopse). Tem romance, tem crítica social, tem alguma comédia no meio de cenários dramáticos, tem resolução rápida de situações complexas. A única diferenciação em relação a outras séries do género é mesmo o protagonista, que carrega aos ombros vários pesos - ironicamente, um deles acaba por ser o interesse que existe em ver a série. Não prevejo que New Amsterdam saia do seu formato, não é inovadora nem quer inovar. E não vejo nenhum mal nisso, sobretudo porque não se propõe a tal. Serve para o seu propósito: ser vista depois de This Is Us e tentar continuar a alimentar a indústria dos lenços de papel, mesmo que não seja tão boa nisso como a sua antecessora no horário da NBC. Por cá, estreia hoje na Fox Life, às 22:20, com episódio duplo - a seguir às repetições da 2.ª temporada de Grey’s, porque há que manter a Katherine Heigl a receber royalties de alguma coisa.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D