Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Já a Seguir

Já a Seguir

À boleia de Borat, 5 séries para ver na Prime Video

Manuel Reis, 23.10.20

MV5BZjkxMDkwNDEtMzNiMC00MzVhLWE4MGMtY2Y1NGJkODkzYTAzXkEyXkFqcGdeQXVyNzQxMTAxNDc@._V1_.jpg

Borat Subsequent Moviefilm: Delivery of Prodigious Bribe to American Regime for Make Benefit Once Glorious Nation of Kazakhstan, ou Borat 2, chegou hoje à Prime Video - e a curiosidade é muita, nem que seja para ver qual é o novo capítulo no cair de graça de Rudy Giuliani. Ainda não vi o filme - irei tratar disso mais logo - mas tenho usado a Prime nos últimos meses e… até estou bastante satisfeito. É, provavelmente, o segundo melhor serviço de streaming que anda por cá.

Preço e limites: 5,99€/mês, até três ecrãs em simultâneo a ver conteúdos diferentes (ou seja, não é possível estarem dois ecrãs da mesma conta a exibirem o mesmo vídeo), sempre em HD ou 4K (quando disponível nos vídeos, se a rede deixar e se o dispositivo suportar), com qualidade estável (pelas minhas experiências, mais estável do que a Netflix). Claro, este é o preço do Prime Video a solo, sem Amazon Prime, num país que tem sido (de uma forma geral) ignorado pela empresa de Bezos. (Se calhar, ainda bem.)

O player tem o bónus de estar ligado ao IMDb (que pertence à Amazon) e carrega não só a ficha técnica do episódio, como também os actores presentes na cena que estamos a ver… e algum trivia. Tal como na Netflix, a pesquisa também é turbo-carregada, não nos mostrando apenas os títulos óbvios para aquilo que queremos encontrar, mas também os que tiverem algum tipo de relação com aquilo que procuramos. A interface, no geral, é muito dentro do habitual neste tipo de serviços.

O grande calcanhar de Aquiles é a localização para português de Portugal, que é fraca ou inexistente (para além das taxas, também já se legislava isto), sobretudo em produções mais antigas ou publicadas há mais tempo - lá está, ignorados pela Amazon. Outro ponto negativo é a organização de séries - cada temporada tem um registo individual e aparece como resultado único, a fazer lembrar DVDs individuais das temporadas - embora, durante a visualização e consulta das fichas, estejam ligadas entre si. Mesmo assim, pode-se dar o caso de fazerem um site especial - como aconteceu com The Boys - e a ligação na lista de "Watch next" perde-se.

Pelo que vi no Twitter quando anunciaram Borat 2, há algum interesse no filme, e até alguma abertura para experimentar o serviço da Amazon e ver no que dá. Ora, dou-vos aqui cinco bons motivos para a subscreverem - e, assim, pagarem mais um serviço… ou, pelo menos, passarem a subscrever este em vez de um que nos faz ter vontade de atirar o comando à televisão.

"Futebol é vida." Ted Lasso é amor.

Manuel Reis, 09.10.20

1200x630.jpg

[SEM SPOILERS] Hoje não há um novo episódio de Ted Lasso. E isso deixa-me profundamente triste - embora saiba perfeitamente que a série terminou na semana passada e que vai voltar para uma segunda temporada. Mas vai aparecer em várias listas das melhores séries do ano, com toda a justiça.

E surgiu num momento crucial de 2020 (sim, ainda estamos em 2020).* Com o período eleitoral a decorrer nos EUA (e com tudo o que o resultado final possa significar para os efeitos causados no mundo), com uma pandemia que não dá tréguas e com as estreias de novas temporadas adiadas para daqui a semanas ou meses, esta produção da Apple TV+ ganhou um merecido espaço para se mostrar e exibir uma abordagem diferente.

* Também num momento crucial da minha vida, mas isso é outra história.

Tudo o que precisam de saber sobre a história: Ted Lasso (Jason Sudeikis, Saturday Night Live) é um treinador de futebol americano que é escolhido pela nova dona (Hannah Waddingham, Game of Thrones) de um clube da Premier League para treinar uma equipa de futebol (futebol a sério).

A série podia ser uma simples paródia, um desenvolvimento do personagem de acordo com os sketches que lhe deram origem. Mas foi num sentido completamente oposto, a colocar alguma profundidade no personagem e nas histórias que lhe acompanham. É um tratado contra alguns estereótipos, uma história humana, que joga contra a maré e nos dá um olhar de esperança, com uma interpretação formidável de Sudeikis (há quem lhe antecipe o Emmy), ladeado por um elenco bem acima do competente.

As sequências de futebol não são grande coisa, e é o único ponto da série que talvez pudesse pedir uma melhoria significativa em novas temporadas (e isso sente-se particularmente no final desta). Mas, será que é mesmo necessário? Porque não distrai assim tanto das histórias que a série conta - não apenas as que envolvem Ted, mas todos os outros personagens (mais uma vez, com um determinado personagem a ganhar uma enorme profundidade nas cenas finais do último episódio).

A primeira temporada de Ted Lasso está na Apple TV+, e a segunda vem a caminho, com a série a ter bastante destaque nas mais recentes apresentações da empresa de Cupertino. Experimentem a plataforma, tem boas séries (adorei For All Mankind) e bons filmes originais - e ainda ontem foi anunciada uma extensão dos períodos gratuitos.